segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Na casa de mim mesma



Vim morar na casa de mim mesma
Uma brisa entra pela janela entoando em frescor os velhos sonhos
As cores são mornas, tranquilas
As paisagens as mesmas da infância 
Cada uma refletida num espelho límpido
Verdes montes, carros-de-boi, besouros e o rio que corre
Na casa de mim mesma por nada espero ou anseio
Sei a hora certa de despertar 
 E observo a felicidade que sobrevoa o silencio e a solidão dos montes
E tão simples ela
Como o abrir dos olhos 
Os delicados cílios que se levantam à grandeza de ver
Vim morar na casa de mim mesma e nem me lembro se já estive longe
Nesta casa  não existem mágoas e a chuva é bela em suas canções de amor.







4 comentários:

Gênesis Sumaimana disse...

Lindo!!

Edwin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edwin disse...

Que lindeza,Amanda!

Gosto desse. :)

zumbi disse...

encontrei seu blog por caso depois de fazer uma busca com o nome do meu 1º post, no meu recém-criado blog: http://zumbiliterario.blogspot.com/

gostei muito,
continue escrevendo!
Estou te seguindo, bj

Jackie